Parar de beber – O vício e algumas situação que merecem atenção

Como parar de beber – No entanto, quando falamos em vício, a primeira coisa que vem à cabeça é o álcool e as drogas. Porém, o que muita gente esquece é que o vício não se limita somente a isso, mas a uma série de fatores que fazem desse problema algo muito mais profundo do que pensamos, como também, trazemos como poderá lidar com a situação e parar de beber.

O que é vicio?

Vício é um hábito repetitivo que degenera ou causa algum prejuízo ao viciado e aos que com ele convivem. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), é uma doença física e psicoemocional. O limite entre um hábito e o vício está nas consequências que eles causam na vida da pessoa. O vício afasta o indivíduo de sua essência e faz com que foque mais na obtenção do prazer, através da dependência do que na vida que antes levava, nem que isso signifique se afastar de amigos e familiares mentir ou se prejudicar no trabalho e mudar completamente o curso de suas ações, objetivos e sonhos, dessa forma, podendo perder totalmente o controle de sua vida e obstruir a verdadeiro pensamento da necessidade de parar de beber

Antes da dependência ocorre a tolerância, que é o fato de uma pessoa precisar de doses cada vez maiores para produzir os mesmos efeitos que antes conseguia com doses menores. O álcool também pode ser consumido “socialmente” sem que a pessoa se torne alcoólatra. Na verdade, dentro do consumo “social” de álcool deve-se considerar como aspectos separados e clinicamente específicos:

Parar de beber – Quais as causas do alcoolismo?

Embora, as bebidas alcoólicas são cada vez mais consumidas e até exaltadas e as pessoas são introduzidas nelas cada vez mais cedo. Dessa forma, o habito de consumo se torna mais frequente em qualquer ocasião, assim, estimulando cada vez mais a necessidade dos prazeres desenvolvidos quando consumidas, sendo despercebidas os primeiros sintomas de sua dependência.

Situações a serem analisadas com o tempo

– Sentir forte desejo ou compulsão para beber;

– Ter dificuldades em controlar o seu consumo de álcool em relação entre seu início e termino, como também, quantidades ingeridas.

– Sentir alterações psicológicas quando o uso do álcool é finalizado ou reduzido, ou utilizado para pode está aliviando ou evitando as alterações.

– Embora, mesmo estando evidente a tolerância do álcool, que em outras palavras, seria quando a necessidade de aumentar as quantidades de doses ingeridas para conseguir sentir os mesmos efeitos quando era realizado em quantias menos.

– Perda progressiva de interesse por atividades antes realizadas ou até outras fontes de prazer, devido o consumo de álcool.

– Uso contínuo mesmo com evidencias claras das conseqüências danosas.

Sintomas

O alcoólatra muitas vezes não tem consciência de que é mesmo dependente da bebida. Dentre alguns sinais estão a falta de controle sobre o uso e  tolerância cada vez maior à bebida. A abstinência, ou seja, quando o dependente interrompe a ingestão da bebida, seja por vontade própria ou por falta dela no momento, alguns desses sintomas podem ser físicos e mentais, como por exemplo:

  • Tremores nos lábios;
  • Tremores nas mãos e pés;
  • Náuseas e vômitos;
  • Suor excessivo;
  • Ansiedade e irritação;
  • Confusão mental.

Portanto, para conseqüências em longo prazo, já podemos a começar identificar sintomas de saúde sobre o mau funcionamento do corpo, assim, deixando de trabalhar como o ritmo normal para o ritmo fora do comum, como resultado, o corpo desregulado caso não tratado, poderá está sujeito a complicações reversíveis, como também, irreversíveis como, por exemplo:

  • Problemas gastrointestinais – Úlcera, varizes esofágicas, gastrite, gordura no fígado ( esteatose hepática), hepatite, pancreatite, cirrose;
  • Neuromusculares – Câimbras, perda de força muscular, dormência, distúrbios de coordenação;
  • Problemas cardiovasculares – Hipertensão, arritmias, aumento do risco de acidente vascular isquêmico;
  • Sexuais – Redução ou ausência da libido, ejaculação precoce, disfunção erétil, infertilidade;

Como também, podendo desencadear transtornos mentais como, por exemplo:

  • Depressão
  • Abstinência
  • Demência
  • Psicose

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *